“E, lá vamos nós!”

Há dias que eu estava pra escrever um texto inspirador e enorme falando sobre julgamento.

Sim, porque tem vezes que a gente percebe os olhos alheios pairando e não consegue se sentir bem. Nesse caso nem é uma questão de auto-importância, como aquelas pessoas com mania de perseguição que são tão conscientes de si mesmas que acham que todo mundo perde um tempo precioso olhando para elas. Na verdade eu queria falar sobre o quão triste é se enredar em todos esses tropeços consecutivos.

Por exemplo, eu comprei um belo chapéu de feltro cinza e foi tão inspirador que depois disso dei uma repaginada no meu layout (rsrs), usando maquiagem mais escura nos olhos, pintando o cabelo de preto e assumindo meu visual de Maga Patalógika. Achei divertido, achei novo e estou bem satisfeita, embora, tenha ouvido com meus ouvidos de loba, um leve comentário de como eu estava com um visual “mais pesado”.

O mais gostoso de tudo é que pela primeira vez na história “dei de ombros”. Não deixei que aquele sussurro, que foi pronunciado direcionado com o propósito que meus ouvidos captassem, acabasse com a minha diversão. Aquilo só me deu mais força e energia, por uma razão pela qual ainda não sei explicar de forma lógica e racional, de seguir adiante com a minha brincadeira.

Sim, porque é isso mesmo, uma brincadeira. O modo como nos vestimos, como nos apresentamos aos outros, são personagens que construímos, mas tem gente que esquece e quer se apegar. Quantas vezes não vemos por ai os outros e nós mesmos bradando “eu sou assim, eu sou assado”, como se fosse a coisa mais certa desse universo. Sempre me dá uma vontade danada de chegar pra criatura e começar a explicar sobre o conceito de impermanência. Mas, ai a chata seria eu! Melhor calar, porque calar é ouro! —> falar é prata, calar é ouro, ditado que amo.

E, enfim, sobre o julgamento. Ainda não descobri o que é pior, ser aquele que julga ou ser aquele que se abala com o julgamento alheio. Ambos saem prejudicados e incorrem no mesmo erro de não se “ocupar”. O que é isso? Bom, um pensamento que formulei com o tempo. Quem “se ocupa”, ou seja, quem usufrui o mundo, suas possibilidades, que tem seu foco e objetivos claros e está preparado para ter jogo de cintura (no caso das PROÁVEIS E CERTEIRAS eventualidades) não perde tempo julgando e nem dando ouvido.

@ “ocupad@” não abre espaço na vida pra maledicência e caso ela chegue até os seus ouvidos dá um jeito de não emitir opinião e também de esquecer, sem passar adiante. Está ocupad@ seguindo em frente, não se distraí com tanta facilidade, contribuindo com sua criatividade para o mundo e levando junto aqueles que também compartilham dessa mesma filosofia.

@s “desocupad@s”, esses vivem no atraso, olhando em volta, perdendo tempo e colocando fora as oportunidades, que passam na velocidade das flechas. Sabem que podem e não fazem esforço para mudar, preferem a acomodação, tem a preguiça por companheira. Desses (as) não faço julgamentos porque confio que um dia chega a conta. Quem for espert@ corre pra se transformar em vida, como diz meu Padrinho Fernando.

No link uma explicação de um dos meus exemplos de vida e superação, o fabuloso Johnny Cash, explicando porque ele costumava usar apenas roupas negras (assim como eu também ando enegrecendo meu visual e guarda-roupa). Está em inglês publicado no site de uma revista budista americana http://www.elephantjournal.com/2011/07/why-johnny-cash-wore-black/

Ah, juro que não foi proposital, nem me atrevo a imitar o homem de preto, é que ando brincando de bruxa uns tempos pra cá!

O link da onde eu tirei a genial frase, que me acompanha desde a infância, para o título desse post. Amo!

About these ads

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s